domingo, 12 de julho de 2009

Quão numerosos os fariseus que se haviam recolhido nas sinagogas em Seu nome

Quão numerosos os fariseus que se haviam recolhido nas sinagogas em Seu nome, lamentando-se por estarem d’Ele separados, e, no entanto, quando os portais da reunião de par em par se abriram e o Luminar Divino se irradiou, resplandecente, da Aurora da Beleza, eles desacreditaram em Deus, o Excelso, o Poderoso.

De acordo com o Evangelho (Mateus 2:4) desde há muito que o chefe dos fariseus esperavam por O Cristo. No entanto quando surgiu rejeitaram-No (João 7:45-9).

Bahá’u’lláh considera que pelo facto de os fariseus terem rejeitado Jesus "desacreditaram em Deus” – e com isso negaram O próprio Moisés. A comprovação desta ideia é feita pelo próprio Jesus “aquele que não honra o Filho, não honra o Pai que Me enviou” (João 5:23) e “não podereis conhecer a Mim nem ao Meu Pai, se me conhecêsseis também haveríeis de conhecer o Pai”. Bahá’u’lláh ensina que é somente através dos Manifestantes de Deus que a humanidade pode conhecer Deus (Selecção dos Escritos de Bahá’u’lláh,) tal como dito por Jesus “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém chega ao Pai senão através de Mim” (João 14:6).

Primeiro Bahá’u’lláh refere-se ao facto de Jesus ter surgido com “domínio manifesto”, posteriormente considera que a Sua rejeição foi a rejeição de Deus, esclarecendo que a Sua soberania era a espiritual.

No próximo verso há a alusão às profecias do Antigo Testamento que anunciavam Jesus.

Sem comentários: