terça-feira, 19 de maio de 2009

O Senhor de todas as eras


II.
Esta é uma Epístola, oriunda de Nossa presença, dirigida àquele que os véus dos nomes não puderam impedir de Deus, o Criador da terra e do Céu, a fim de que seus olhos se alegrem nos dias de Seu Senhor, o Amparo no perigo, O que subsiste por Si Próprio.


Esta Epístola encoraja os crentes a suportarem as dificuldades no reconhecimento de Sua Divindade. Dirige-se-lhes como sendo o “Senhor” – o Prometido por Jesus e Isaías. A referência a “véus” significa todos os factores que impedem os seres humanos de reconhecerem o “Senhor” tais como ignorância, vaidade ou o receio de perderam uma posição reconhecida.
O Amparo no perigo, o que subsiste por si próprio” confirma ser Ele o mediador enviado por Deus. Estando nós perante uma mediação material e espiritual.
Apesar de a Epístola ser dirigida a um crente (“àquele) deveremos entender como sendo dirigida a toda a humanidade – e em particular aos cristãos.
A referência a “seus olhos se alegrem” é um estímulo para as privações que um crente poderá sofrer ao seguir os ensinamentos de Bahá’u’lláh, aqueles que regerão a humanidade durante a Sua Dispensação. Os “dias de Seu Senhor” confirmam isso mesmo.
Bahá’u’lláh identifica-se como sendo “todos os Profetas” e assim o Senhor de todas as eras.

Sem comentários: