quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Paradigmas


Karl Raimund Popper (1902/1994) filósofo , nascido na Áustria e naturalizado inglês)considerou: “cada problema surge da descoberta de que algo não está de acordo com nosso suposto conhecimento; ou, examinado em termos lógicos, da descoberta de uma contradição interna entre nosso suposto conhecimento e os factos.”
As hipóteses provisórias são, então, submetidas a testes que ofereçam as mais severas condições para a crítica.
Mas os únicos testes possíveis são aqueles que, eventualmente podem mostrar que a hipótese é falsa. Não existe maneira em ciência de se mostrar que uma hipótese é correcta ou verdadeira. Assim, as hipóteses científicas se credenciam por meio de testes de falseabilidade. Isso quer dizer que em ciência, podemos ter certeza quando estamos errados, mas nunca poderemos ter a certeza de estarmos certos.
Luis Carlos Bombassaro, professor de filosofia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil afirma: “Especialmente em ciência, aquele que julga ter encontrado uma resposta conclusiva dá mostras não somente de seu fracasso, mas também do fracasso da própria ciência. Aquele que for incapaz de transpor os limites do pensamento dogmático, impostos pela educação científica formal, e não aceitar o jogo do pensamento crítico está longe de fazer ciência, pois não poderá resistir à constante transformação das teorias, à mudança conceptual e ao cada vez mais célere avanço do conhecimento.”
Isto vem um pouco a propósito de muita boa gente se escandalizar pelas correntes de opinião norte-americanas que livremente defendem a criação do Universo em 6 dias - eles têm o direito de fazer e (nós) não podemos considerá-los como absurdos e merecedores do silêncio ou ostracização por consideramos que as suas ideias não têm fundamento (segundo o que cremos, eu incluído).

1 comentário:

alexbr82 disse...

Oi João acho muito interessante ver que mesmo as teorias que supostamente não merecem crédito do ponto de vista científico devem no entanto ser pelo menos discutidas para não se cair no erro do dogmatismo.