sábado, 7 de julho de 2007

Mecânica quântica

Max Planck (1858-1947) em 1901 publicou a teoria quântica, tentando resolver o problema que dizia respeito às variações da quantidade de energia radiante emanada pelos corpos ideais quentes ou os designados de “corpos negros”. A energia varia com o comprimento-de-onda e temperatura de forma que as teorias sobre ondas e energia eram incapazes de explicar. Planck formou uma equação matemática que satisfez pela primeira vez os resultados de experiências com corpos negros. No entanto, a equação baseava-se em a energia radiante não ser emitida em ondas ininterruptas mas em descontínuos e mensuráveis “quanta”, que seriam como partículas de energia.

Em 1905 Einstein generalizou a teoria quântica para todas as formas de energia radiante, incluindo luz, calor e raios-X, usando-o para explicar o efeito ”foto-eléctrico”. Einstein deduziu que a luz não é transmitida em ondas contínuas mas em “quantas” de luz que ele designou de fotões. A energia de um fotão é proporcional à frequência da luz emitida. O efeito de um fotão batendo num electrão é idêntico a uma bola de bilhar batendo noutra.

A luz possui uma misteriosa dualidade.

1 comentário:

O-Lidador disse...

Caro João, nada há de misterioso na dualidade onda-partícula.
Trata-se apenas de modelos de operacionalização do fenómeno da luz.
Cada um tem a sua validade em aplicações práticas concretas.

Enfim...o mundo já tem mistérios suficientes, normalmente medidos pela extensão da nossa ignorância, para que andemos a desencatar outros onde eles não existem