sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

8. O Problema Automóvel

Por exemplo, no que diz respeito aos automóveis, nos anos 50, a população mundial era apenas de 2.6 mil milhões de habitantes e havia cerca de 50 milhões de automóveis no Planeta. Em 1996 havia 5.2 milhões de habitantes e 700 milhões de automóveis, enquanto a população duplicou o número de automóveis mais do que decuplicou, prsentemente já ultrapassámos os mil milhões. Um maior número de automóveis por habitante ainda é conotado como sinal de desenvolvimento, mas poucos se questionam qual o preço a pagar por esta correlação. Seria bom que, nós os portugueses, tivéssemos uma concepção do automóvel como uma forma inidvidual de deslocação quando não existe alternativa colectiva. Infelizmente, ainda é inequívoco um promotor de status.

A convicção de que o Planeta “aguenta” com a produção contínua de automóveis merece uma reflexão. O nível de vida que existe na Europa, América do Norte ou Japão vai sendo pretendido, e de uma forma legítima, por outros povos. Enquanto só alguns poluíam o problema não era tão grave como quando forem todos a fazê-lo.

Os países que possuem 81% dos veículos constituem apenas 16% da população.

Metade dos gastos do petróleo são dirigidos para veículos rodoviários. Geram 1\5 das emissões de gases de estufa, nomeadamente monóxido de carbono e óxidos de azoto, que têm a sua origem em escapes de automóveis. Nas grandes cidades é a principal fonte de poluição.
Segundo estudos feitos nos EUA, a poluição automóvel também se faz sentir na agricultura nomeadamente na perca de culturas de cereais. A posse de um automóvel supõe uma maior mobilidade para o seu possuidor, tal como prestígio. Mas os malefícios da sua utilização desregrada são bem visíveis nas grandes cidades com os seus custos sociais e ambientais. O dano mais evidente é o da poluição atmosférica. Depois de uma estimativa feita conclui-se que no concelho de Lisboa os automóveis libertam anualmente quase 100 quilogramas de chumbo para a atmosfera. Este metal é altamente tóxico e provoca danos irreversíveis no desenvolvimento intelectual das crianças.

Se por um lado as melhorias efectuadas nos automóveis diminuem a quantidade de poluentes e reduzem a utilização dos metais pesados empregues, o aumento de veículos em circulação impede a travagem ao aumento de poluição atmosférica. Metade da produção actual de petróleo é dirigida para veículos motorizados de transporte, na sua maioria particulares. Em termos energéticos o automóvel é bastante ineficiente, despende-se cerca de 50 vezes mais energia a percorrer determinada distância do que de bicicleta.

A poluição sonora é outra fonte de mal estar. As grandes cidades são muitas vezes construídas de forma imperfeita. Já não há o tradicional contacto humano nem o passeio descontraído a pé.
Se por um lado o nível de vida aumentou sob o ponto de vista quantitativo, sob o ponto de vista qualitativo poderá ter diminuido.

Em Portugal quando se planeia a construção de uma estrada e se faz o respectivo estudo de impacto ambiental aquilo que seria a alternativa zero, o de não construir, esta claramente posta de lado.

13 comentários:

Cucagaio disse...

Só passei para desejar UM FELIZ NATAL E UM ANO NOVO CHEIO DE SAÚDE, AMOR E PAZ

PlayingTheAngel disse...

João,

Passei para te deixar um beijinho de bom natal

bjitos

Xantipa disse...

Caro João,
Venho aqui deixar-lhe um abraço fraterno com votos de Boas Festas!

chuvamiuda disse...

................

Feliz Natal


Abraço e noite serena

Dad disse...

...........***
..........*****
.........*Feliz*
........*********
......************
.....******Natal****
....****************
...******************
..********************
..........****
..........****
..........****

Vera Fróes disse...

João, sempre os interesses comerciais vem acima dos ambientais. Só que a natureza está dando mostrar que já não aguenta mais e aí vem terremotos, maremotos, vulções, enchentes, frio congelante e calor escaldante.

Desejo a vc e sua família...

http://thumbsnap.com/v/mFp3porS.jpg

Bjos.

Catellius disse...

Os carros são os gafanhotos da atualidade, uma verdadeira praga.
Veja a imensa área asfaltada das vias, dos estacionamentos, a infinidade de garagens - de edifícios garagem. Impermeabilizam o solo, refletem calor para a atmosfera, são barreiras para o ir e vir do pedestre, concentram-se nas áreas mais valorizadas.
Temos que pensar em uma alternativa para o carro. Já!
Feliz Solstício de Inverno para vocês aí de Portugal!

Elfo disse...

Só existe um Solestício e esse é no Verão. No Inverno chama-se: Equinócio
Daí que não se deve dizer Solestício de Verão nem Equinácio de Inverno, pois só existem este dois. Na Primavera e no Outono não são considerados Solestícios. Assim como só existe um Zénite e um Nadir.

Um abraço,
Elfo

João Moutinho disse...

Agradeço as vossas lembranças!
O Solstício ocorre ou em 21 ou 22 de Dezembro e em 21 de Julho - período em que o Sol se encontra mais distante da Terra.
Equinócio (Equi noce) quer dizer noites iguais, ou seja tem de ser em 21 de Março e 22 ou 23 de Setembro.

Elforadiante disse...

Estamos sempre a aprender.
Um abraço,
Elfo

Quirologo disse...

Já repus a verdade no Quirólogo, acerca dos dois Equinócios e dos dois Solstícios, com fotos explicativas e com legendas.

Para a próxima devo confirmar antes de dizer asneiras.

O Eneadáctilo que me desculpe.

João Moutinho disse...

"Para não dizermos asneiras estamos calados, para não cometermos erros estamos quiestos" - João Moutinho

Daniella disse...

Mas João Moutinho
Quem não erra não aprende.