quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

5. Aplicação de Produtos Químicos

De entre os grandes avanços da ciência nas últimas décadas está a Química. É estimado que todos os anos haja uma produção de 10,000 novas substâncias químicas. Muitas delas nunca existiram na Natureza, de forma que não há mecanismos biológicos para as desintegrar ou reciclar no mundo natural. Se estas moléculas não são decompostas por organismos, vão-se acumulando no ambiente estando a sua deterioração dependente exclusivamente de processos físicos. A ciência química foi largamente empregue na agricultura, nomeadamente na fabricação de insecticidas. É o caso dos organocloratos, nos quais está incluído o célebre DDT.

Há muitos produtos químicos que são lançados na atmosfera sem serem previamente estudados.

O DDT foi um dos primeiros insecticidas a ser usado e que nas décadas de quarenta e cinquenta terá salvo muitas colheitas e com isso muitas vidas. Só que posteriormente ao seu vasto emprego veio-se a descobrir que se acumulava na cadeia alimentar, interferia na regulação hormonal de certos pássaros, provocando o enfraquecimento da casca do ovo e comprometendo a reprodução da espécie.
O DDT era lixiviado dos campos para os cursos de água e posteriormente para zonas costeiras, não só os peixes eram afectados como também os seus predadores, caso do pelicano castanho nos Estados Unidos que esteve quase em vias de extinção até o DDT ser eliminado da agricultura. As aves de rapina estando no topo da cadeia alimentar são bastante sensíveis, caso do falcão peregrino, outra vítima do DDT.

7 comentários:

pintoribeiro disse...

Estranhei o teu silêncio sobre a comemoração do natal num estado laico...abraço João.

malu disse...

Um abraço João. Cá venho lendo-te e mais um artigo interessante e.. preocupante, não?

Mikas disse...

Hum química n é comigo... bom fim de semana

Sonia R. / Sombras disse...

É sempre bom divulgar. Bom dia João.

amadis / pintoribeiro disse...

Bom dia, abraço,

amadis / pintoribeiro disse...

Respondi excepcionalmente naquele blogue num post que não é MEU e onde o teu comentário, sinceramente, não faz sentido nenhum. Bom dia.

João Moutinho disse...

Pinto Ribeiro,
Eu apenas te quis responder, e por uma questão de cortesia fui a um blog que pensei ser teu.