quinta-feira, 30 de novembro de 2006

4 . Salvaguarda do equilíbrio

As inovações na ciência agrícola deitaram por terra as previsões do economista Thomas Malthus no início do século XIX, ele considerou que se a população cresce de forma geométrica a quantidade de alimento cresce de forma aritmética.

As melhorias no campo agrícola, nomeadamente a engenharia genética, possibilitaram um aumento exponencial na quantidade de alimentos disponíveis. No entanto, a utilização da engenharia genética, com objectivos apenas de curto prazo poderá ter um efeito perverso.

A preocupação contemporânea dever-se-á reflectir não tanto na quantidade de alimento disponível mas mais na sua qualidade, o que se reflecte na sua fonte genética.

Todas as sementes trazem consigo aquilo que é conhecido como o germoplasma, que contem o material genético que define a hereditariedade. O germoplasma é a peça-chave para o melhoramento das culturas com o objectivo de se tornarem mais resistentes a ataques de pragas ou fungos, ou mesmo mudanças de clima. Este germoplasma é encontrado em zonas remotas que durante muito tempo estiveram protegidas, zonas abandonadas à Natureza, talvez por estarem desprezadas. Só recentemente se começou a dar valor a este item.

As culturas na natureza tem uma variedade incontável, sendo esta variedade uma fonte de resistência para a espécie tanto no que diz respeito a competição com outras plantas como na defesa contra a enorme variedade de fungos e pragas que a ameaçam. Assim se uma variedade de planta, dentro da mesma espécie, e vulnerável ao ataque de determinada praga, já não o será a outra variedade.

Há sempre um equilíbrio dinâmico entre o predador e a presa, procurando as espécies obter sucesso através da introdução de novo material genético.

3 comentários:

ORASKA disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Savonarola disse...

Gostei da análise, interessante, profunda. No fundo, vivemos do que a terra nos dá e tratamo-la tão mal. Li algures que somos aquilo que comemos: então porque não inovar no capítulo da alimentação, para que todos possamos ter uma vida saudáuvel? Para que todos, Norte e Sul, possamos viver?

pintoribeiro disse...

Abraço,