terça-feira, 7 de outubro de 2008

Prémio Nobel da Física

O Prêmio Nobel de Física 2008 foi atribuído ao americano Yoichiro Nambu (na fotografia) de 87 anos e nascido em 1921 no Japão trabalhando actualmente no Instituto Enrico Fermi de Chicago e aos japoneses Makoto Kobayashi e Toshihide Maskawa por trabalhos sobre a física de partículas elementares da matéria, os quarks, anunciou hoje (07-10-2008) o Comité Nobel da Real Academia Sueca. Kobayashi, 64 anos, é professor honorário do Centro de Pesquisas de Tsukuba (Japão) e Maskawa, 68 anos, é professor honorário no Instituto de Física Teórica de Yukawa (Japão).

Nambu , receberá metade do prémio pela "descoberta do mecanismo de ruptura espontânea de simetria em física subatómica", segundo o júri do Comité Nobel.

Os seus trabalhos alimentam a teoria do "Modelo Standard", que tenta descrever as partículas elementares que ajudam a explicar a natureza da matéria e as origens do Universo, criado no "Big Bang" há 14 bilhões de anos.

Os dois cientistas japoneses foram premiados pela "descoberta da origem da ruptura espontânea de simetria que supõe a existência de pelo menos três famílias de quarks na natureza", acrescenta o Comité.

O quark é uma partícula subaquática fundamental de carga eléctrica fraccionário (2/3 ou 1/3 da carga do electrão) e de spin + 1/2, considerada um dos constituintes fundamentais da matéria.

A questão da simetria faz parte dos grandes enigmas da Física. Durante a formação do Universo, no momento do Big Bang, foram produzidas quantidades iguais de matéria e de antimatéria que deveriam ter se anulado mutuamente.

"No entanto, não foi isto que aconteceu", destaca o comunicado do Comité Nobel. "Houve um desvio minúsculo de uma partícula suplementar de matéria por cada 10 bilhões de partículas de antimatéria. É esta ruptura de simetria que parece ter permitido a sobrevivência de nosso Universo", acrescenta a Academia.

Até hoje boa parte do que realmente aconteceu em nosso Universo não foi explicado. O superacelerador de partículas que foi colocado em funcionamento em Genebra, mas foi desligado por problemas de vazamento, tentava encontrar respostas, lembram os membros do júri.

Sem comentários: