quarta-feira, 18 de julho de 2007

O Nuclear e fugas não controláveis

O governo japonês debruçou-se ontem (terça-feira) sobre a necessidade de reforçar as medidas de segurança das suas instalações nucleares em caso de terremotos, após o forte tremor que provocou um incêndio e provocou uma fuga de material radioactivo numa central nuclear.

"Queremos acelerar os trabalhos para confirmar se os reactores podem resistir às forças e cenários diversos de terremotos", declarou em uma entrevista colectiva à imprensa o ministro da Economia, Akira Amari.
"Temos que dar uma resposta sem paliativos a como o tremor superou a resistência prevista nas normas", afirmou o porta-voz do governo, Yasuhisa Shiozaki.

Um terremoto de magnitude 6,8 na escala Richter causou nesta segunda-feira nove mortos e mil feridos na região de Niigata (centro do Japão), e provocou um incêndio e fuga de material radioactivo na central nuclear de Kashiwazaki-Kariwa, uma das maiores do mundo.
Numa nota pessoal informo que, sem posições dogmáticas limitadoras, sempre tive grandes reservas quanto ao emprego do Nuclear.

4 comentários:

Elfo disse...

Ó João, é impressão minha ou este pessoal já "bazou" para férias e não passaram cartucho às tropas?

João disse...

Debandaram ... como as nossas forças armadas de Angola após o 25...

Elfo disse...

E querias que ficassem lá a fazer o quê, a abanar uma folha de palmeira a enxotar as moscas ao Agostinho Neto?

João disse...

Eu não queria nada.
Apenas quis atirar uma bujarda ao ar.
Em todo o caso o Agostinho Neto quando estava doente foi à União Soviética e bem que os fulanos lhe trataram da saúde.