terça-feira, 24 de outubro de 2006

O Dia que não será seguido pelas Trevas (3.ª parte)

Relativamente ao versículo apontado, Bahá’u’lláh nessa mesma Epístola proclama de forma majestosa que neste Dia Ele retirou a negação e colocou a afirmação. Assim, na Sua Revelação o versículo corânico foi substituindo por “Ele é Deus”. Isto significa que o Autor desta Revelação segura nas Suas mão toda a autoridade, e ao contrário do que aconteceu nas Revelações anteriores nenhuma poder retirá-la-ia. Tal como está explícito nos Seus escritos este é “O Dia que não será seguido pelas trevas”.

Há outro dado importante na Epístola de Sálman referentes à exclusão da palavra da negação e substituição pela afirmação. Este significa que após a ascensão de Bahá’u’lláh todos aqueles que são firmes no Convénio consideram que a remoção da letra da negação corresponde ao Livro do Convénio, vontade e testamento de Bahá’u’lláh.

Assim, para um Bahá’í a Fé em Bahá’u’lláh não é suficiente. Deve-se voltar para os Seus representantes. Primeiro deverão aceitar ‘Abdu’l-Bahá, como Centro do Convénio, Shoghi Effendi, como Guardião da Fé, e a Casa Universal de Justiça, Instituição que dirige presentemente a comunidade Bahá’í.

Há uma tradição xiita em que Ali disse: "Verdadeiramente sou dois anos mais novo do que o meu Senhor."

Como é óbvio, Ali era bastante mais novo do que Maomé mas o Báb era dois anos mais novo do que Bahá'ulláh.

Sem comentários: