sexta-feira, 25 de agosto de 2006

XI. Um Termo Certo Para Cada Nação

A crença de que Maomé é o “Selo dos Profetas” e de que seria o último Mensageiro de Deus enviado à humanidade conduz a que os Seus seguidores concluam que o estado islâmico seria a última nação religiosa tal como o seu povo. No entanto, o Alcorão indica claramente que a nação islâmica não é a última, e os seus representantes fazem parte de um estado intermédio no desenvolvimento espiritual da humanidade.
Sura “A Vaca” (II, v.143): “Assim fizemos de vós uma comunidade moderada para que sejais testemunhas, frente à gente, e seja testemunha o Enviado frente a vós.”
A identificação dos Muçulmanos como uma “comunidade moderada[1], não é apenas referente ao povo que a antecedeu mas também pressupõe que outro o irá seguir, guardado o princípio da continuidade da religião tal como confirmado no Alcorão:
Sura “O Muro” (VII, v.35): “Filhos de Adão! Chegar-vos-ão Enviados saídos de entre vós que vos recitarão os Meus versículos. Os que temem e se emendem não receiem pois não serão apoquentados.
Este versículo dirigido aos “filhos de Adão” assegura à humanidade que Enviados continuarão a ser enviados por Deus, sem afirmarem a continuação do estatuto dos Profetas.
O seguinte versículo do Alcorão aponta para a continuidade da Revelação Divina:
Sura “O Muro” (VII, v.34): “Cada comunidade tem um prazo, e quando chega o seu prazo não pode atrasá-la nem adiantá-la um momento.”
Sura “Os Crentes” (XXIII, v.43): “Comunidade nenhuma adianta ou atrasa o seu termo.”
Sura “O Trono” (XIII, v.38-39): “...Cada época tem um Livro. Deus apaga e confirma o que quer; junto de Si tem a essência do Livro.”
[1] Há traduções em que o termo “moderada” é substituído por “intermédia”.

Sem comentários: