quarta-feira, 23 de agosto de 2006

A Revelação Progressiva (3.ª Parte)


Como poderá um povo imaginar que não existirá mais nenhuma Revelação a ser-lhe enviada? Perante a validade destes argumentos, os ulemás têm citado versículos que confirmam que as Suas Palavras são infinitas e não podem ser limitadas, considerando que aquelas que foram reveladas no Alcorão são as ciências e as artes da mente humana que no momento certo poderão entender o que foi revelado no Alcorão. Mas tal explicação é incompatível com os seguintes versículos:

Sura “A Viagem Nocturna” (XVII, v.85): “Apenas se vos deu uma parte da ciência.”

Sura “Al-Hichr” (XV, v.21): “Nada existe se não tem as suas reservas junto de Nós. Não o enviamos se não é em quantidade determinada.”

Respondendo à rejeição dos Judeus para com Jesus e Maomé, e relativamente ao facto de considerarem não haver Revelação Posterior, revelou:

Sura “A Mesa” (V, v.64): “Os judeus dizem: “A mão de Deus está cerrada.” Cerrem-se as suas mãos e sejam malditos pelo que disseram. Não! Tem ambas as mãos estendidas, dando os Seus favores a quem quer. O que se te revelou, proveniente do teu Senhor, aumenta muito entre eles a rebelião e a impiedade. Lançámos contra eles a hostilidade e ódio até ao Dia da Ressurreição.

A referência de “A Mão de Deus está cerrada” descreve uma concepção errada da percepção de que Deus não é Todo-Poderoso para enviar um mensageiro. Em termos explícitos o Sagrado Alcorão explica como cada uma e todas as nações têm recusado um Apóstolo de Deus que lhes é enviado, no entanto esta lamentável atitude não tem impedido Deus de enviar os Seus Apóstolos, uns após os outros:

Na Sura “Os Crentes” (XX, v.44): “Mandámos os nossos Enviados sucessivamente. Cada vez que uma comunidade chegava ao seu Enviado, esta O refutava. Fizemo-lo suceder umas às outras e pusemo-las nas lendas. Longe daqui as gentes que não crêem!”

4 comentários:

Elfo disse...

""A referência de “A Mão de Deus está cerrada” descreve uma concepção errada da percepção de que Deus não é Todo-Poderoso para enviar um mensageiro.""

Ó João Moutinho, aquilo é uma interpretação tua ou leste-a no Kitab-I-Ouvidizer? É que não me parece, a mim que sou burro de nascença, que a Omnipotência de Deus possa ser compreendida por qualquer uma das Suas criaturas, vísiveis ou invisíveis, ou ainda por qualquer Profeta, Mensageiro ou Manifestante.

É que todos os Manifestantes atestam a Sua incapacidade para interpretar a Omnipotência de Deus.

Nenhuma das Suas criaturas o pode fazer porque está para além da compreensão com a qual Deus os dotou.

Dizer o que disseste e, fazer a interpretação que lhe quizeste dar, é no minímo caricatural de quem não compreende ou está a ser levado a compreender por uma compreensão que não a sua.

Isso faz-me lembrar uma anedota dos anarcas que diziam que Deus não podia ser Omnipotente porque não poderia criar uma pedra a qual não conseguisse levantar...!
Ó Moutinho então Deus tem mãos e pés?, ou isso é apenas uma criação humana para tentarem perceber o Incognoscível?

Quando se diz estar à mão direita de Deus, quer dizer que Deus só tem um braço, ou que os que estão à sua esquerda são os malditos de Deus, longe de mim tal interpretação das Escrituras Sagradas de qualquer Manifestante de Deus.

O Bab sempre nos advertiu para que não criássemos um Deus à nossa imagem e imaginação.

O que o Homem tem feito desde sempre foi o de criar imagens para nelas ver um deus por si criado e, não o inverso.

Por isso os muçulmanos não têm imagens nas mesquitas, têm sim versículos do Corão escritos por toda a parte.

Jesus dizia não acrediteis em Mim pelos milagres mas sim pela palavra que O Pai vos enviou.
Que eu saiba Jesus apenas escreveu uma vez na areia e apagou o que escreveu logo de seguida, isto é, Jesus não deixou nada escrito, mas, isso sim, deixou a Palavra que era transmitida oralmente até que os Seus díscipulos por medo de perderem para sempre o conteudo da Mensagem de Sua Santidade O Chrysto, foram escrevendo o que se lembravam e isso deu cerca de trezentos e cincuenta Evangelhos, até que o Concílio de Niceia - trezentos anos após a ascenção de Jesus -, se resolveu optar pelos Evangelhos canónicos, isto é, os que não levantavam tanta celeuma e, apelidaram todos 346 de Apócrifos, isto é, não dignos de fidedignidade.

João Moutinho disse...

Elfo,

Antes de mais, não tenho qualquer autoridade para interpretar de forma definitiva o que quer que seja no Alcorão, Deus nos proteja!

Limitei-me a mostrar uma visão de pessoal do que parece ser uma alusão à recusa dos judeus em aceitar Jesus como o Messias.

Tenho a impressão é que não leste bem o texto.

Daniella disse...

Talvez seja melhor gente como elfo pondera um pouco antes de por onde quer que seja os seus comentários. Eu sinceramente não entendo como pode ser que alguém tenha uma linguagem tão... (como dizer) vulgar (digo vulgar porquê não encontro outra definição, uma vez na sua vulgaridade ele ainda tenta escrever poético também) e ainda se dá a coragem de falar dos versículos de Deus.
Olha João Moutinho eu é que peço desculpas pelas faltas de educação.
Senti-me mesmo mal ao ler o comentário de elfo. Elfo pelo amor de Deus, antes de publicar, relê os seus comentários talvez consiga perceber o que quero dizer.

Elfo disse...

Daniela e João Moutinho, tendes razão e peço desculpas a ambos.


Daniela
Mas onde é que eu fui "vulgar"?

João admito que só me referi a parte o texto e, não ao todo em si. Por isso, por favor aceita as minhas desculpas.

Um abraço a ambos.